terça-feira, 19 de julho de 2016

Escaneadora com ascendente em aleatoriedades

Como disse minha irmã mais nova, "Foi o pior livro bom que eu já li". Estou falando de Refuse to Choose, da Barbara Sher (pelo jeito sem tradução para português), que fala de um tipo de gente  diferente: scanners, ou escaneadores - um povo que pula de um interesse para outro, alegremente, sem se comprometer para sempre com nada. 

Eu e a irmã nos identificamos. Queremos saber e fazer um monte de coisas, mas ficamos satisfeitas depois de um certo tempo. Não sentimos necessidade de nos concentrar no mesmo tema durante anos e anos. Depois que a gente absorve o que quer, damos tchau. E partimos para a próxima. Isso, claro, tem seu preço. Em um mundo que valoriza especialistas, somos generalistas aleatórias.

O lado ruim do livro é que a autora trata a si mesma e aos escaneadores como gênios incompreendidos. E enche as páginas de historinhas repetitivas nas quais ela REVELA às pessoas sua VERDADEIRA natureza. Aí as pessoas ficam absolutamente chocadas, porque jamais, em toda a vida, tinham pensado naquilo/visto as coisas por aquele ângulo. O que nos faz desconfiar que esses escaneadores não são tão brilhantes assim, certo? Mas achei bacana ter um nome para o que eu sou que não fosse "sem foco", "desorganizada" ou "randômica". 

A autora diz que não temos que terminar o que começamos - aliás, ela recomenda que a gente não termine a maioria absoluta dos nossos projetos! Mas, no fim do livro, dá o braço a torcer: fala que não precisamos terminar todos os projetos, mas que precisamos saber terminar.  

Fiquei pensando em como aplicar esse novo conhecimento na prática. Por um lado, estou feliz por entender meu fôlego curto (muita iniciativa, pouca acabativa). Por outro, sei que alguns objetivos dessa vida só são alcançados com um esforço contínuo e prolongado - algo que vai contra minha tendência escaneadora. O que fazer? 

Tentar domar minha tendência escaneadora, né? Não por toda minha existência, porque isso seria muito sofrido. Mas por um período determinado (provavelmente mais longo do que eu gostaria). Estou pensando numas estratégias aqui.

13 comentários:

  1. Pelo menos vc ACABOU de ler o livro. Vale, não vale?
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Sem contar que vc fica imbatível no Master!

    ResponderExcluir
  3. E estuda para concursos até o fim! :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que começo depois do edital, rs. Tem alguns concursos que esse esquema não rola =D.

      Excluir
  4. Socorro, eu preciso deste livro!
    Tenho o mesmo tipo que personalidade que vc, Lud, e estou sofrendo bastante co esta minha mania horrível de nunca dar prosseguimento a nenhum projeto...

    lilly

    ResponderExcluir
  5. Lilly, você lê em inglês? Se sim, me passa seu e-mail que eu te envio um resumão que fiz do livro.

    Em vez de sofrer, a ideia é abraçar essa personalidade =D.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  6. Tem outra palavra pra nos definir: Multipotencialite. Essa tem até site e palestra no TED, mto legal.
    Ou Renaissance Person, tipo o Leonardo Da Vinci =)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...