quinta-feira, 21 de junho de 2018

A vida dos outros

No começo desse mês fez um ano que tomei posse no Itamaraty. Como diz o Leo, agora a ampulheta virou, porque em tese quando eu completar dois posso ir trabalhar (ou, como diz o povo, "servir") no exterior. 

Fico bem contente com a perspectiva. Não sei onde vou parar - pode ser em qualquer lugar onde o Brasil tenha uma embaixada ou consulado -, mas tenho certeza que vou curtir. Adoro conversar com os colegas a respeito de futuros destinos. Trocamos um monte de ideias e descubro que tem gente que não quer morar em lugar muito quente, ou muito frio, ou onde álcool seja proibido, ou onde não exista vida noturna.

Acho que estão certíssimos. Cada um sabe o que quer da vida, ora. Eu e o Leo somos bem tranquilos nas nossas exigências, até porque somos um casal: a gente diverte e faz companhia um ao outro. Quem é solteiro talvez pense duas vezes antes de topar servir em uma cidade do interior do Japão (Hamamatsu e Nagoia têm consulados brasileiros!), por exemplo. 

O que a gente quer: água potável, internet, certa segurança (guerra não, por favor). Doenças não nos preocupam tanto, porque vivemos em um país onde tem zika, dengue e chicungunha, né? Achamos que, obedecendo direitinho as orientações dos locais (como usar repelente e colocar telinha nas janelas), vai dar tudo certo. 

Aliás, seguir direitinho as orientações dos locais será nosso lema. Estamos em um país frio, onde o povo se diverte no inverno esquiando e patinando? Bora aprender a esquiar e patinar! Moramos em um lugar tropical, onde a hora de caminhar nos parques é ao amanhecer e ao anoitecer? Bora botar o despertador pras 6 da manhã! Na nossa cabeça, não faz sentido mudar de país e continuar se comportando igualzinho. 

Muito antes pelo contrário: viver como os outros vivem será uma bela experiência. 

domingo, 10 de junho de 2018

Dietinha

Lamento informar que estou de dieta. O feminismo me ajudou a me livrar de um monte de exigências sociais, como passar esmalte, pintar o cabelo ou acompanhar as tendências da moda, mas infelizmente ainda me sinto obrigada a ser esbelta.

Nem é porque "quero ser magra para mim mesma" ou "me sinto melhor com menos peso". É porque a sociedade diz que mulher tem de ser magra mesmo (e malhada - mas aí já é demais pra mim). Tem o fato de minhas roupas de trabalho estarem chegando ao limite, e eu morrer de preguiça de comprar roupa nova, mas desconfio que isso é desculpinha. Afinal, minha saúde é ótima e meu IMC é normalíssimo. Estou de regime por pura vaidade.

Não é bonito, mas é o que temos para hoje.

Fico imaginando se um dia chegarei a uma idade na qual vou chutar o pau da barraca e me permitir virar uma vovó fofa e gorducha.

Temo que não. Aposto que serei uma velhinha magrela e chata.

* * *

Atualização: a dieta durou 3 semanas. Perdi 1 quilo e meio. Aí fui fazer outras coisas.

domingo, 13 de maio de 2018

O desejo de não-maternidade e o dia das mães

A amiga de uma amiga está escrevendo uma tese sobre o desejo de não-maternidade. Corri para me escrever para ser entrevistada. Curiosíssima sobre o que ela vai perguntar.

* * *

Nunca ninguém me chamou na lata de egoísta por não querer filhos, mas sei que é uma acusação frequente. Se algum dia isso acontecer, pretendo responder: sim, sou egoísta. Egoísta E preguiçosa.

* * *

Quando era adolescente, tive meus conflitos com minha mãe. Poucos, mas tive. Hoje nem lembro mais a respeito do que foram.

* * *

Hoje acho minha mãe um exemplo. Ela dava conta de tudo: trabalhava fora, cuidava da casa, cuidava da gente. Dominava todas as prendas domésticas, inclusive costurar, e era professora universitária. Herdei dela a responsabilidade no trabalho e nos estudos, o controle financeiro, a exigência estética. Já os cuidados com o lar evitei aprender, confesso. Mas hoje, quando tenho que fazer alguma coisa em casa, me lembro da maneira como ela fazia, e isso ajuda muito.

* * *

Minha mãe se aposentou há várias anos, mas continua muito ativa. Admiro. Quando me aposentar, pretendo ficar ainda mais preguiçosa.

sábado, 12 de maio de 2018

Minimalismo fashion

Estou supercontente porque tem um monte de blogueiras de moda entrando na onda do consumo consciente. O esquema dos armários-cápsula já data de algum tempo, mas agora parece que finalmente caiu a ficha de muita gente que comprar compulsivamente não é construtivo, nem para as pessoas (porque não tem fim, sempre tem uma novidade), nem para o meio ambiente.

Pode ser modinha, o hype do momento? Pode. Eu ligo pra isso? Não. O importante é o resultado. Se o povo der uma pausa na obrigação de fazer o "look do dia" com roupa nova sempre, já fico contente. E acho bem possível que muitas percebam que repetir peça é bacana. Primeiro porque é um exercício de criatividade. Segundo porque abre espaço para a individualidade (não tem graça nenhuma todo mundo usando os mesmos lançamentinhos sempre). E terceiro porque gera economia, né? Talvez não para as profissionais que vivem (e lucrem!) exclusivamente com isso e recebem muitos produtos de patrocinadores, mas para a turma que só se diverte com isso, com certeza.

Não, eu não acompanho sites e blogs e revistas femininos. Foi uma das coisas que cortei quando me dei conta de que eles promoviam ideais absolutamente inalcançáveis de beleza e felicidade. Logo depois decidi parar de comprar e pronto, jamais voltei (já que eles também promovem consumo desenfreado). Mas de vez em quando dou uma olhadinha, para ver se estou perdendo alguma coisas (conclusão: não estou. Uma colega de trabalho me contou que a modinha do momento é bota vermelha (!!!) e  muito me ri) ou um post sobre comprar menos aparece na minha timeline.