sábado, 10 de fevereiro de 2024

A aurora de dedos rosados

Em 2022, usamos as férias de fim de ano para ir visitar Noruega e Polônia, para incredulidade dos vizinhos de prédio que, na festinha de confraternização, nos contaram que estavam indo para o Caribe e a América do Sul. Embora a viagem tenha sido ótima (aurora boreal! pilhas de neve!), nos demos conta do erro de cálculo: se for para viajar no inverno, que seja para um lugar mais quente e ensolarado que a Suíça, e não para um onde o frio e o escuro sejam ainda piores. Em Zurique, as baixas temperaturas duram de outubro a março. Tem a sua graça, mas uma hora cansa. Aí você percebe como o clima no Brasil é maravilhoso, como a gente não valoriza etc. 

Assim sendo, em 2023 voamos para em Porto em dezembro e, agora, para a Grécia. As temperaturas estavam bem baixas (em Portugal, chegamos a pegar 0º C), mas o céu azul e os dias luminosos compensam tudo. 

O céu azul, os dias luminosos e a comida, claro. 

Começamos com três noites na ilha de Santorini. Essa é Oia, a cidadezinha mais famosa.

Depois partimos para a capital. Sim, o Partenon (templo da deusa Atenas,
que dá nome à cidade) está em reforma. 

Mãozinha na água do Mediterrâneo, em Flisvos, Atenas
* * * 

Quando criança, aprendi mitologia grega com a Enciclopédia Disney (volume 4, Grandes Aventuras e Mitologia. Na minha casa não tinha, mas na casa de uma tia em Ouro Preto tinha. Ela comprova belas coleções de livros e os três filhos não gostavam de ler. Pois bem, eu aproveitava muito as belas coleções de livros) e com Monteiro Lobato (o Minotauro e os Doze Trabalhos de Hércules. Também não tinha na minha casa, tinha na casa de um primo filho único a quem os pais davam tudo que o dinheiro podia comprar. Pelo menos esse primo não desgostava da leitura). 

Mais recentemente, li Circe, da Madeleine Miller, um releitura de vários mitos gregos da perspectiva da própria Circe, uma feiticeira imortal, e Stone Blind (traduzido como "O Olhar da Medusa"), da Natalie Haynes, que conta a história da criatura de que tinha serpentes como cabelos de um ponto de vista diferente (o dela). Ambos são muitos bons, mas o segundo é meio deprê, porque as mulheres (não importa se mortais, imortais, deusas ou monstros) se ferram demais. 

* * * 

Em Santorini, fizemos algo que não fazíamos há muito tempo: alugar carro (a última vez foi em 2018, quando trabalhei dois meses em Munique e quisemos aproveitar um feriado para explorar a Baviera). Em geral, somos adeptos do transporte público, até em lugares como a Provença, que fizemos alegremente usando os ônibus locais. Mas, como fevereiro é baixa temporada na Grécia, a frequência das linhas é baixíssima. Acabou sendo a melhor decisão, porque ganhamos tempo e pudemos explorar a ilha de norte a sul. 

Também foi bom para o Leo não perder a prática da direção (inclusive impressionou muito o moço do hotel com suas rés na subida e suas manobras para estacionar). Eu continuo sendo uma péssima navegadora, mas o Google Maps com voz ajuda demais. 

* * * 

Santorini é uma graça, mas estava parecendo uma ilha fantasma: 90% dos estabelecimentos fechados e ruas praticamente desertas (verdade que tinha muita obra rolando). 15 mil pessoas são residentes permanentes, e DOIS MILHÕES visitam todo ano. Ou seja, a alta temporada deve ser um inferno. Mas aposto que a média (primavera/outono) é ótima. 

(E por que fomos pra lá  na baixa temporada? Porque os preços despencam: pagamos 25% do preço do quarto de hotel com vista para a caldeira e uma piscina aquecida só para nós.)

A gerente do hotel me contou que a ilha tem várias escolas, mas só uma escola técnica e nenhuma universidade. Ela mesma nasceu em Atenas e se mudou para lá quando se casou com um local. 

Achei um lugar bem curioso para se viver. Este blog é de uma moça que se mudou para Santorini depois de viver em Roma, Milão e Londres: One Quarter Greek

* * * 

Falando em se viver: Atenas tem embaixada? Teeeem. Então eu vou olhando tudo pensando que é possível um dia morar ali. 

Atenas é uma cidade grande: mais de três milhões de habitantes (um terço dos gregos mora lá). Tem o centro histórico lindíssimo, e tem também bairros normais, onde as pessoas vivem de verdade. Comparada com Zurique, ela perde nos quesitos trânsito, poluição e baguncinha. E ganha nos conceitos charme, comida e alegria de viver. Nenhum lugar é perfeito, a questão é escolher. 

Eu e o Leo adoramos bater perna na rua e conhecer bairros onde as pessoas moram de verdade, e em Atenas não foi diferente. Saindo dos pontos turísticos, encontrei uma cidade muito parecida com Belo Horizonte (ruas e calçadas estreitas, subidas e descidas, predinhos estilo anos 80). A diferença é que Atenas é mais limpa e muito mais segura. 



* * * 

Em A Odisseia, o poema épico de Homero que é um dos textos fundadores da literatura ocidental, a madrugada (personificada na deusa Eos) aparece umas 20 vezes, e todas as vezes ela é descrita como "a aurora de dedos rosados". 

Pois bem, assisti a uns nasceres do sol na Grécia e Homero tinha razão: todos eles foram bem róseos (o que não é frequente, não: geralmente as madrugadas são pálidas e os pôres-do-sol, esses sim, avermelham o céu).

O amanhecer na varanda do hotel em Fira, Santorini

quarta-feira, 24 de janeiro de 2024

Morte de um Kindle

Eu sou a alucinada do Kindle de tecla. Desde dezembro de 2011, quando adquiri meu primeiro, depois de uma viagem na qual gastei metade do valor dele comprando livros, é um dos meus bens meus preciosos. 

Em 2012 o Leo comprou um para ele também. O que foi ótimo, porque eventualmente a Amazon parou de fabricar o Kindle de tecla e passou a produzir os detestáveis Kindle touch screen. Tenta andar pela rua, pegar tram, subir escada com Kindle touch screen. Você olha pra ele torto e pronto, sai tudo do lugar. Até o livro que você estava lendo vira outro. Ou seja, alguns anos depois dei para o Leo um desses e tomei o de teclas. 

Durante os últimos anos, não perdi a chance de aumentar o meu stash. Meu pai me deu o dele depois de confessar que preferia os livros de papel. Outro comprei no Carousell, o Mercado Livre das Filipinas. Um terceiro (um Kindle 2, a segunda versão fabricada) ganhei no Free Your Stuff Zurich, um grupo de Facebook local. E o último, a pérola da minha coleção, é um Kindle DX, lançado em 2009, com uma tela de quase 24 cm de diagonal e caixa de som, perfeito para ler PDF, que achei na Amazon americana e que foi entregue na Suíça pela DLH. 

Isso quer dizer que sou a orgulhosa possuidora de seis deles. Ou melhor, cinco, porque aquele que eu tomei do Leo decidiu não ligar nunca mais após 11 e meio valorosos anos de serviço. Aconteceu em novembro do ano passado e eu fique na esperança que ele ressuscitasse, mas em vão. 

O que demonstra que estou certa em ter um estoque. Um dia todos eles vão pifar. Desejo ardentemente que, quando isso acontecer, a tecnologia do livro digital tenha evoluído para projeção em lente de contato e passagem de página com uma piscada forte. 

Oremos.  

Minha preciosa coleção. O mais gasto, em cima, à direita, é o primeirão.

terça-feira, 2 de janeiro de 2024

e aí

Aí finalmente você está em paz com seus cuidados mínimos de beleza, sua única bolsa, sua única cor de batom (agora duas). Passam uns anos e vem o papo que os cinquenta são os novos trinta, que olha-que-sorte-as-mulheres-de-hoje-não-precisam-envelhecer. E o cabelo branco é lindo mas arrepiado e aparecem uns quilos que antes não estavam lá. E você evita revistas femininas, mas a internet te mostra as celebridades (e as sub) cheias de botox, preenchimento e quetais. E surgem remédios que causam emagrecimento e o movimento de inclusão de corpos diferentes vai por ralo abaixo.   

E aí além de querer mudar o mundo você também tem de viver nesse mundo. E descobre que um xampu caro e um secador de cabelos caro funcionam e seu cabelo fica bonito de novo. E que se exercitar todos os dias é melhor coisa que já inventaram para sua saúde mental desde o antidepressivo (que você não toma mais, mas que pode voltar a tomar, nunca se sabe). 

E aí você continua firme sem ir a salão de beleza, apesar de ter sido a coisa que sua sogra te perguntou 15 minutos após te encontrar depois de três anos sem te ver. Continua sem usar salto ou joias ou esmalte. Mas come menos chocolate e aproveita as promoções de fim de ano para comprar um calendário de advento de cosméticos e fica sem saber o que fazer com tanta miniatura de hidratante facial. Pelo menos você aproveita e faz uma limpa geral de creminhos e xampuzinhos encostados e põe na rua pro povo levar.

domingo, 31 de dezembro de 2023

Novembro, dezembro

O fim de ano passou voando. Teve neve no fim de novembro (deixou Zurique toda branquinha, durou três dias e se foi sem deixar traços). Teve sol e frio em Porto (dias maravilhosos de céu azul e muita comida boa). Teve amigos no Natal (dois casais que vieram de Luxemburgo e Berlim. E muita comida boa). 

2023 foi aquele ano em que já estávamos instalados no país novo, e por enquanto o plano é ficar por aqui, mas é claro que a gente acompanha as idas e vindas dos amigos da carreira e cresce o olho no próximo destino. Não dá para saber com certeza onde estarão as vagas quando terminar nosso tempo na Suíça, pois as pessoas podem ficar entre 2 e 5 anos em cada cidade, e elas mudam quando lhes dá na telha. Você imaginaria que quem está em posto A vai ficar o máximo do tempo, e que quem está em posto C ou D vai sair correndo assim que cumprir o mínimo, mas não é bem assim. O ser humano é infinitamente misterioso e toma decisões que quem está de fora não entende - e, às vezes, nem ele mesmo que está de dentro entende. 

* * * 

Ia esquecendo de contar minhas aventuras médicas na Suíça: meu dedo indicador ficou vermelho e inchado na articulação do meio durante duas semanas, então decidi ir ao médico. Uma clínica geral olhou meu dedo, não perguntou nada sobre alergias e pediu vários exames de sangue e uma ressonância magnética. Os exames de sangue eu fiz, e eles vieram zerados (nenhuma doença auto-imune, que bom). A ressonância magnética ia demorar uma hora, incluía contraste e ia custar 1.450 francos suíços (uns 1.700 dólares). O seguro médico cobre 80%, mas achei tudo demais e me recusei a fazer. 

Nos dias seguintes o dedo milagrosamente melhorou. Acho que foi o susto. 

Nevembro

quinta-feira, 16 de novembro de 2023

Entrando numa fria

Lá estava eu toda valente, crente que tinha descoberto a fórmula mágica para não hibernar no frio (trilha na floresta + tô na rua enquanto tiver luz), quando me dei conta de que o inverno AINDA NEM COMEÇOU. 

Os dias vão continuar encolhendo até 22 de dezembro. O frio ainda vai piorar um bocado, e não vai melhorar até março, no mínimo. 

O pior não são as temperaturas baixas. É a chuva chatonilda que não para de cair. 

Mas não há de ser nada. Comprei bota impermeável, calça de trilha e caminho todo dia, junto com o Leo, faça sol ou faça chuva. Quando chove demais, vou de esteira. 

O exercício me deixa de bom humor, diminui o sono e a fome. Até perdi uns quilinhos. 

E saí de casa em pleno domingo nublado para ver a primeira neve do ano (que não foi na cidade de Zurique, mas em um dos morros que a cercam, o Uetliberg). 

Cores nas folhas, neve no chão

* * * 

Enquanto o inverno não chega, trato de aproveitar o outono, que tá lindão. 






segunda-feira, 23 de outubro de 2023

Ficou barato

Nas últimas duas semanas, assisti aos 8 capítulos de A Queda da Casa de Usher, na Netflix. Gostei da conceito da série, inspirada contos do Edgar Allan Poe e ambientada em tempos modernos. Sempre acho interessante esse tipo de transposição, ainda mais se for em uma mídia diferente. 

Divertiu? Divertiu. É muito bom? Não, não é muito bom (embora valha lembrar que sou uma pessoa enjoada, que tem a maior dificuldade de gostar das coisas). Depois do primeiro capítulo catei os contos do Poe para apreciar melhor, e alguns capítulos são mais uma referência do que uma citação, o que no fim das contas foi positivo, porque algumas das histórias são chatíssimas. 

No fim das contas (SPOILER), o que Roderick Usher, o personagem principal, fez foi trocar imunidade total em relação a seus crimes pela extinção dos descendentes quando ele mesmo morrer. É um básico pacto de vender a alma ao demônio. 

Na verdade, o moçoilo não era boa bisca: tinha feito um acordo com a Justiça para contar os malfeitos do chefe, e na hora do vamovê virou a casaca; aí matou o chefe para ficar com o cargo dele. Depois de fazer o acordo com satanás, ele ocupa o lugar do chefe, conforme planejado, e inunda o mercado farmacêutico com... opioides, claro, causando dependência e morte, e ganhando bilhões de dólares. 

Em suma, Roderick tem uma vida boa e regalada, e seis filhos basicamente detestáveis, dos quais ele não gosta nem um pouco. Só se salva a neta, Lenore, que é bacaninha. 

Quando ele está perto dos 72 anos, os filhos começam a morrer de maneiras horríveis e ele passa a desconfiar que o fim está próximo. A diversão dos espectadores é imaginar como o capeta vai se livrar dos próximos descendentes. 

A minha conclusão é que ficou barato. O hômi fez e aconteceu e quem pagou foram outras pessoas. 

Assim fica fácil. Até eu. 

domingo, 20 de agosto de 2023

Dilema ou preguiça?

Neste inverno entrei em um belo esquema de hibernação (comer muito + dormir muito). O que foi ótimo, até que deixou de ser, quando a primavera e o verão chegaram e o esquema continuou igual. 

Argumentei comigo mesma que fazer exercício e me alimentar bem (- ultraprocessados, + comida) era pura vaidade, e eu não queria gastar tempo e esforço com vaidade. Só que não é, né? Mexer o corpo é ótimo para a saúde (física e mental). Comer menos chocolate e batatinha de pacote nunca fez mal a ninguém, e provavelmente faz bem. 

O resultado é que há duas semanas faço caminhadas diárias com o Leo e troco menos refeições por pipoca/sorvete/chocolates/chips. No começo eu estava emburrada, mas de fato exercício físico melhora o humor e a sensação de bem-estar. Ainda mais no meu caso, que há mais de dez anos lido com ansiedade e depressão. 

Nessas horas Zurique ajuda demais, com muitos cenários bonitos pra passear. 


 

Minha queixa no momento é o calor: eita verão que tá castigando, sô. O jeito é deixar para caminhar no final do dia, quando o sol está prestes a se por ou já se pôs. O lado bom é que uma hora as temperaturas vão baixar, e aí vai ficar cada vez mais agradável. Quem sabe evitaremos a próxima hibernação?

domingo, 18 de junho de 2023

Vem também!

Olha só que boa notícia: na sexta-feira saiu a autorização para um novo concurso para Oficial de Chancelaria! São 50 vagas, mais 50 para cadastro de reserva. 

Se eu recomendo? Sim! É uma vida de altas emoções. Tem suas frustrações e perrengues, claro, mas o saldo final é muito positivo. 

Claro que não é pra todo mundo. Quem não gosta de mudança e/ou é muito apegado ao Brasil pode sofrer mais do que se divertir. Ninguém é obrigado a ir para o exterior, mas a carreira aqui fora é muito mais legal. 

Só digo uma coisa: o edital do último concurso (o que eu fiz) saiu em 2015, ou seja, há 8 anos*. Então, se a ideia te atrai, não fique pensando em se programar para o próximo, não. Ele pode demorar demais para acontecer. 

* Parece menos porque a prova foi em 2016 e a posse, só em 2017.

 Segue a portaria: 

PORTARIA MGI Nº 2.454, DE 16 DE JUNHO DE 2023

A MINISTRA DE ESTADO DA GESTÃO E DA INOVAÇÃO EM SERVIÇOS

PÚBLICOS, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Decreto nº 9.739,

de 28 de março de 2019, e de acordo com o que consta no Processo nº

12100.101977/2022-18, resolve:

Art. 1º Autorizar a realização de concurso público para o provimento de

cargos no quadro de pessoal do Ministério das Relações Exteriores (MRE) para:

I - o provimento de 50 (cinquenta) cargos de Oficial de Chancelaria; e

II - a formação de cadastro de reserva para provimento futuro de até 50

(cinquenta) cargos de Oficial de Chancelaria.

Art. 2º O provimento dos cargos a que se refere o art. 1º dependerá de

autorização do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, e está

condicionado:

I - à homologação do resultado final do concurso; e

II - à declaração do ordenador de despesa responsável, quando do

provimento dos cargos, sobre a adequação orçamentária e financeira da nova despesa

à Lei Orçamentária Anual e sua compatibilidade com a Lei de Diretrizes Orçamentárias,

demonstrando a origem dos recursos a serem utilizados.

Art. 3º A responsabilidade pela realização do concurso público será do

órgão ou da entidade de que trata o art. 1º desta Portaria, a quem caberá:

I - editar as respectivas normas, mediante a publicação de editais, portarias

ou outros atos administrativos necessários à realização do concurso público, de acordo

com as disposições do Decreto nº 9.739, de 28 de março de 2019;

II - observar as leis e os regulamentos que tratem sobre políticas de reserva

de vagas em concursos públicos e assegurar que as ações e procedimentos previstos

no concurso público estejam alinhados ao alcance da efetividade de tais políticas; e

III - zelar pela conformidade legal dos procedimentos relacionados ao

planejamento e à execução do concurso público.

Art. 4º O prazo para a publicação do edital de abertura do concurso público

será de até seis meses, contado a partir da publicação desta Portaria.

Parágrafo único. A não publicação do edital de abertura do concurso público

no prazo estabelecido no caput implicará:

I - a perda dos efeitos desta Portaria; e

II - o cancelamento do atesto de disponibilidade orçamentária para a

realização do concurso público.

Art. 5º O prazo de antecedência mínima entre a publicação do edital de que

trata o caput e a realização da primeira prova do certame será de dois meses.

Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

ESTHER DWECK

segunda-feira, 29 de maio de 2023

Chove, chuva

Sabe o último post? Enganação. A primavera não chegou coisa nenhuma.

Em abril, passamos um fim-de-semana prolongado em Roma (choveu e fez frio), uma semana em Costwolds (choveu e fez frio) e meu aniversário em Turim (fez frio e choveu). Em maio, meus pais vieram nos visitar por 15 dias, junto com minhas tias que chegaram um pouco antes e foram embora um pouco depois. Sim, fez frio e choveu. 

Semana passada o sol resolveu dar as caras e tivemos alguns dias de temperatura acima dos 15º C (intercalados com outros de chuva e frio, claro). Na sexta-feira o tempo firmou e passeamos de trem no sábado e no domingo, encantados diante de tanto céu azul. 

Acho que agora vai. 

Em Andermatt

domingo, 26 de março de 2023

Entra: primavera. Sai: máscara.

Março de 2020 marcou o início da quarentena em Manila. Posso considerar, então, que faz dois anos que uso máscara para sair de casa (mesmo que tenha deixado de ser uma exigência em Zurique desde abril do ano passado). 

Semana passada eu propus e o Leo concordou que, levando em conta nossas cinco doses de vacina, que a gente parasse de usar. 

Me dá muita alegria não ter de sacar a máscara da bolsa toda vez de entrar no tram. 

Enquanto isso, em Zurique: