terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

O Caso da Sexualidade Feminina

Ando pensando em como a sexualidade feminina, em nossa sociedade, está ligada a uma certa aparência. Mulher sexy, segundo os filmes, a publicidade e as revistas, é aquela decotada, de cabelo com volume, de olhos e lábios destacados, de pele perfeita e cuidadíssima, e unhas longas e esmaltadas também não caem mal.

Tem algum problema com essa concepção? Bem, eu acho que tem. Porque fica parecendo que a sexualidade feminina se reduz a uma série de mecanismos para despertar o desejo masculino. Ela não existe sozinha, sabe? Ela está focada no outro. Ou seja: se uma mulher vai parar numa ilha deserta, vira imediatamente um ser assexuado, porque não tem ninguém para admirar seu babydoll.

Segundo que é uma sexualidade construída. A pele, com sua riqueza de terminações nervosas, não é sexy por si só: somente quando está hidratada, bronzeada e coberta de partículas iluminadoras. O corpo feminino também não: ele tem de estar depilado, sem marcas de idade ou maternidade. Quilinhos a mais, nem pensar. Aí entra a indústria dos cosméticos, dos tratamentos de beleza, da dieta. Ganhando os tubos para nos tornar sensuais, sendo que, bem, nós já somos. Porque a gente tem corpos!

O que eu acho mais cruel, entretanto, é que essa sexualidade tem prazo de validade. Com os anos, a aparência vai se alterando e deixa de corresponder ao padrão (a não ser que você corra atrás dela feito louca, mas aí é outra conversa). E aí, acabou? A partir do momento em que o visual não desperta mais a libido masculino? Game over? C’est fini?

Acho que não é beeeem assim, não.

10 comentários:

  1. Oi, Lud, visita relâmpago: respondi seu e-mail.
    bjs
    rita

    ResponderExcluir
  2. A Lola estava mesmo falando disso hoje: uma comentarista perguntou para ela o que era ser feminina. Nem a Lola soube definir, uma vez que somos bombardeadas com essas mensagens estereotipadas de que "mulher-rosa X homem-azul".
    E para mulher, o exercício da sexualidade sempre caminha por linhas muito tênues: de ser "sexy" para ser "vulgar" basta 1cm a menos na roupa.

    E tem mais: já reparou como o uso da palavra VULGAR só se aplica à mulher? Usei esse termo antes, não pq eu concorde, mas pq é assim q a sociedade rotula as mulheres que ultrapassaram os limites da "sexualidade" permitida e EXIGIDA.

    BUT, pode ver como muito dificilmente o adjetivo VULGAR será aplicado ao homem, enquanto a mulher será, na maioria esmagadora dos casos, a portadora desse estigma.

    Esse seu post me inspirou! Vou lá escrever e já volto!

    Beijukka e abraços aos koalas!!!

    ResponderExcluir
  3. Esse post me fez lembrar de uma coisa curiosa. Fiquei bons anos da minha vida adulta sem namorado. Tinha uma dificuldade imensa de me relacionar, quando me interessa por uma cara, ele nunca correspondia. Cabe dizer que os caras nunca tinham nada em comum, além do fato de não estarem afim de mim.

    Na minha pré adolescência eu era CDF e sofria bulling. Tipo, na idade em que eu comecei a me interessar por meninos, eles se reuniam em grupos pra me chamar de feia. Depois de adulta, por mais que o espelho me dissesse que eu tenho muitos encantos, foi isso que ficou, sabe? Então, cada vez que um cara não se interessava por mim, eu concluía que ele me achava feia.

    Um dia numa festa, conversando com uma menina que eu tinha cabado de conhecer, falei sobre isso. E ela mandou, na lata: "ué, e se fosse feia? você acha que gente feia não trepa?".

    Foi quase uma revelação, sabe? Porque, realmente, sexualidade é muito mais do que aparência.

    Ah! Boa viagem!

    ResponderExcluir
  4. concordo e não concordo.
    na hora do vamo-vê homem gosta é de mulher e como vier está ótimo! a grande maioria dos meus amigos não acha graça nenhuma nessas mulheres magricelas de passarela, segundo eles 'tem que ter onde pegar'. e já ouvi todo tipo de opinião quanto a outros atributos - tem que goste de loura, tem quem goste de morena, de cabelo liso e cacheado, e já ouvi de um namorado 'nao gosto dessas porras que você passa na cara' (vc sabe de que gentleman estou falando).
    acho que essa coisa de 'sexy' é uma cobrança das mulheres para as mulheres, do mesmo jeito que a gente se veste e se maquia para outras mulheres, não para os homens. outro dia que eu estava gordchinha e fui num churrasco da minha sala ouvi vários comentários do tipo 'você está muito mais gostosa' dos meninos, e 'noooossa você deu uma engordada, hein?' das duas meninas presentes =)
    ou seja... talvez se a GENTE parar de julgar as pochetes alheias, vamos conseguir ser mais tranquilas com nossas bordinhas de catupiry =)

    ResponderExcluir
  5. Oi, Lud. Mandei o e-mail, agora "de verdade", vê lá. Bjs!!

    ResponderExcluir
  6. Lud,
    Também não concordo com essa sexualidade com prazo de validade. Acho que somos seres sexuais independente de idade, peso, beleza, acessórios.
    É muito estranho que um homem seja mais sexy à medida que os anos passam, as rugas chegam e os cabelos brancos avançam e para a mulher isso seja uma catástrofe. Eu sempre me pergunto, será mesmo? É difícil crer que nossa sexualidade seja tão simplista.

    Ilka

    ResponderExcluir
  7. E o curioso é que a mulher deve ser sexy, sempre, o tempo todo, mas nunca fazer sexo, e se fizer, que mantenha essa informação bem escondida ou corre o risco de ser taxada de vagabunda.
    E a gente que nem loucas, passa fome pra ficar magra, dor pra ficar sem pêlos, gasta os tubos em salão e roupas e no fim tudo isso só pra que meia dúzia de desocupados olhe pra gente e nos dê o selo de aprovação. Ainda se a gente aproveitasse essa sensualidade toda né?

    ResponderExcluir
  8. Eu concordo contigo sobre essa falsa ideia de feminilidade. Mas ela é muito mais uma ideia difundida pelas mulheres, na minha opinião, do que pelos homens. Eu nunca vi nenhum homem reclamar da mulher porque o cabelo dela estava ou não sem chapinha, por exemplo. Aliás, homem detesta essas coisas, que eles julgam ser frescura e paranoia.
    O problema é que mulheres SÃO competitivas e ACHAM que para serem admirados pelos homens elas precisam ser admiradas por OUTRAS MULHERES. E aí vai se fantasiando o que é esse ser mais que as outras e o que se pode fazer para conseguir isso. O estereótipo de propaga e quem puder lucrar com ele (indústrias de cosmético, mercado da moda e etc.) vai em frente, investe a toda nisso. Por sinal, o que homem detesta de invencionices das tendências de moda... Eles acostumam porque não tem outro jeito, mas se você perguntar, eles gostam mesmo é do básico e da naturalidade.

    ResponderExcluir
  9. No meu caso, a aparencia fez diferenca. Durante a minha adolescencia nao fazia nada que a meninada fazia para seduzir os meninos, nem com relacao a minha aparencia nem com relacao a minha atitude. Me re-cu-sa-va e consequentemente nao namorei ate os dezesseis anos, ja na universidade. Depois encontrei o meu entao marido, estava vestida em um bermudao no joelho, camisa de malha folgadona, lama ate o joelho (literalmente), cabelho molhado da chuva, maquiagem nem pensar. Como na epoca ele ainda nao era feminista, ate hoje so acho que ficamos por que ele estava bebado. Depois fiquei mais velha e comecei a usar batom e gostar de usar roupa de meninas. Ai foi namorado em banda de lata. Entao acho que nao eh coisa de nossa cabeca nao. Hoje, gosto de me arrumar sim, mas para mim mesma!
    (Ah encontrei seu blog por recomendacao de Rita do estrada, realmente muito legal!)

    ResponderExcluir
  10. concordo plenamente :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...