quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

O Caso da Homofobia

Às vezes me pergunto por que tem uns homens tão homofóbicos. Deve ter mulher também, mas geralmente quem expressa seu horror em alto e bom tom são os homens. Horror aos gays masculinos, claro. As lésbicas não são muito citadas nessa hora (só para comparecerem nas piadinhas machistas de praxe).

Posso estar viajando legal, mas ando me perguntando se a fobia não viria do fato de os homens, na sociedade patriarcal, estarem no topo da cadeia alimentar: eles são os “pegadores”, os sujeitos do desejo. A princípio um homem tem total liberdade para selecionar e tentar conquistar sua parceira. Ah, e eles não precisam temer o estupro, claro.

Entretanto, em um mundo que existem gays, o homem heterossexual também pode ser presa. Pode ser assediado; pode tornar-se vulnerável. (Não que isso vá acontecer, é evidente: ao contrário do que alguns homens hetero pensam, gays não são monstros libidinosos prontos para atacar. Eles têm padrões!). Em tese, um mundo em que o homem se torna objeto de desejo apresenta todas essas possibilidades, vejam só. E o que pode ser mais horrível do que ocupar um papel (desvantajoso) tradicionalmente impingido às mulheres?

Já li na internet reclamações de homens a respeito da crescente tolerância em relação ao homossexualismo. Um deles havia até recebido uma cantada de outro homem na rua, coitadinho! Puxa, mas ele não achou que era ótimo para a auto-estima dele? Que era uma reafirmação de sua beleza? Que era a maior vantagem? (Que é o que geralmente dizem para nós, mulheres, quando a gente reclama do assédio masculino.)

A propósito, a Danuza Leão tem uma dica ótima de como reagir a abordagens de pessoas do mesmo sexo. Igualzinho você reage a abordagens do sexo oposto, ué! Se está interessado, dá bola; se não, dispensa.

Não tem mistério.

15 comentários:

  1. Concordo totalmente, Lud. Esses homens que tem "pavor" de gays, ou é pq tem medo de virar "presa", vulnerável, a mercê...ou é gay enrustido e tem raiva do objeto de desejo pq o objeto causa confusão com os valores machistas, daí vem a raiva.
    Frase clássica de homem homofóbico que tem medo de sair do topo da cadeia: "não tenho nenhum problema com gays...MAS QUE NÃO VENHA PRA CIMA DE MIM, NÉ!!!" Tradução: "Afinal eu não kero perder o poder de ser o único a desrespeitar as pessoas, falando em alto e bom tom o que acho da aparência delas, e principalmente, não kero ser vítima disso e de coisas piores!"

    Ou seja...eles SABEM que é ruim ser um ser humano julgado pela aparência o tempo todo, com medo de violência ou insinuação sexual invasiva o tempo todo...mas não respeitam.

    ResponderExcluir
  2. Tbm concordo!!! Homem acha que gay dá em cima de qualquer um!!! Dá vontade de falar, "ei, meu amigo... ele é gay, mas tbm é seletivo!! ser homem não é um pré- requisito para ser paquerado por gays!" ... alguns são sinceramente patéticos!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Faz todo sentido.
    Falando de mulheres: a única mulher que eu já ouvi falando mal de gays (que falar mal de mulher mesmo é o tempo todo) reclamou dos que exibem sinais externos de homossexualidade. Tipo, ela não tem nada contra gays, desde que eles não assumam publicamente que têm uma opção sexual diversa, porque aí acha chocante. Anh? Que tipo de tolerância é esse que admite as pessoas desde que elas "se comportem"? Sei não.

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que a homofobia se confunde com a misoginia, e por isso ela é uma grande questão pra mim. Uma mulher lésbica não é tão mal vista quanto um homem gay porque, na "pior" das hipóteses (que é ela ser bem masculinizada e pouco atraente para um homem hétero), ela "virou homem". E homem está acima na "cadeia alimentar". Já um homem gay, não, é um homem que "se rebaixou" ao posto de "mulher". Isso na imaginação do homem hétero médio, claro, pq a gente sabe que não tem nada disso. Então ódio a gays, pra mim, tem a ver com indignação de um homem que "abre mão do papel superior de homem" e "assume o papel inferior ´de mulher´". E isso me incomoda muito.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Lud

    Seu texto é de uma simplicidade e de uma clareza maravilhosas. Sem muito mimimi, é isso aí. Pode até não explicar tudo que está na base da homofobia, mas com certeza abrande um ponto crucial. Parabéns.

    Abraços,
    Rita

    ResponderExcluir
  6. eu tinha um namorado que era muito perseguido por um gay conhecido dele que, toda vez que bebia, dava em cima dele, beijava no rosto, roçava a barba no abraço. meu namorado ficava aflito. mas graças aos santos ele nunca foi de grosseria com o cara. fica constrangido com a situacao, mas nada alem disso. nao tem coisa mais nojenta que pao de "nao tenho preconceito, soh nao quero gay perto de mim". imagina se tivesse preconceito, como seria?

    ResponderExcluir
  7. OI Ludmila!:) faz um tempo que estou pra te escrever.
    Comecei a ler o teu blog anos atras pq estava linkado no da Lili prata... Acabei me esquecendo dele e meses atras voltei a te ler e pra minha alegria o post era sobre feminismo. Tenho acompanhado o teu experimento social e teus argumentos sao muito bons.. acho que li nas tuas palavras o que eu nao conseguia expressar para os outros. Diferente de ti desde sempre me recusei a me entregar ao visual decorativo-feminino, pro susto (e comentarios) da minha familia, achava bobagem aquilo tudo mas nao sabia ainda que era minha alma femista me induzindo :) Tenho muito interesse pelo assunto e teu blog tah na minha lista, ja ateh tomei a liberdade de divulgar ele numa comunidade bacana no orkut que tem discussoes otimas sobre isso.
    Ah!felizmente o meu namorido tem otimos pontos de vista e apoia a causa, e como vivo num covil de machistas eh com ele que tenho as conversas mais profundas e interessantes.
    Beijocas pra vc!!!
    segue meu email se quiseres bater um papinho :)
    ritagomes999@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. outra coisa que esqueci de dizer... outro dia, falei dessa de homens que dao cantadas no meio da rua no meu blog e um amigo que comenta la disse que ja levou cantadas de mulheres e que ficou sem saber o que fazer, meio constrangido. falou como se isso fosse uma coisa ruim, quando a gente sabe que nao eh. aposto que a cantada que ele levou nao foi do tipo "vou te lamber todinho", como eh de praxe pra mulher. grhh...

    ResponderExcluir
  9. Oi, xará!
    Na semana passada eu e meu amado (bem, não somos assim exatamente casados) ficamos horas e horas lendo seus casos e nos deliciando com seu fino senso de humor. O efeito mais imediato foi o de querer tentar retomar aquele projeto de blog que eu fiz, então tasquei um texto lá, feito assim meio que na hora, sobre umas coisas que vinha pensando. Passa lá pa ver?

    Bjs!

    Ciao!

    ResponderExcluir
  10. Conheço um cara que vive falando mal de homossexuais. Não é preconceito, é ódio mesmo... Aí um dia, ele contou que uma vez foi assediado na rua, um cara fortão passou e "tascou" a mão nele... Naquele momento pensei que ele tinha ficado traumatizado porque se sentiu invadido... Mas depois comecei a pensar que se fosse assim era pra nós mulheres termos fobia de homens, afinal, infelizmente, parece que a maioria das mulheres já passou por algo parecido pelo menos uma vez na vida...
    Complicado.

    ResponderExcluir
  11. Pessoa inconveniente é pessoa inconveniente, seja qual a orientação sexual que tenha. Presumir que, só porque a pessoa seja gay, ela vai ser inconveniente é meio demais - especialmente porque eu conheço montes de pessoas inconvenientes que são heterossexuais. Aí a pessoa usa a exceção (pessoas inconvenientes que porventura também são gays) pra justificar o ódio e o racismo - como se isso tivesse justificativa.
    Dando uma de Danuza: pessoas inconvenientes devem ser tratadas da mesma forma - dando um gelo, saindo de perto, discutindo, não dando atenção - sejam elas gays, hetero, ou azuis de bolinhas, oras.

    ResponderExcluir
  12. Flávia,
    é isso aí.

    Setembro,
    homem não tem auto-crítica em relação à aparência mesmo (o que é muito bom para eles, aliás). Já ouvi muito barrigudinho desleixado falando que a mulher tal tem de emagrecer/ir para a academia/se cuidar mais. Sem o menor pudor. Muito natural que eles se achem irresistíveis para o gays, então.

    Dani,
    parecido com o povo que diz: "não sou racista, mas não quero que pessoas de outra raça mudem pro meu bairro, porque aí também é demais". Ah, sim, você não é racista, imagina.

    ResponderExcluir
  13. Ale,
    concordo: homofobia e misoginia estão intimamente ligados.

    Rita,
    obrigada!

    Caso me esqueçam,
    de fato: se tivesse preconceito, então, como seria?
    Fino, seu ex-namorado.
    Quanto ao seu amigo cantado por mulheres, que bom que ele ficou constrangido. Após sentir na pele que não é bacana, espero que ele não cante mulheres na rua, e que diga pros amigos pararem com a babaquice.

    ResponderExcluir
  14. Rita Gomes,
    obrigada! Que bom que o namorido é "dos nossos". E olha só: o fato de você nunca ter adotado o visual decorativo-feminino não te impediu de ter um namorido, né? Pelo visto, até ajudou!

    Lud xará,
    vou passar no seu blogue, sim!

    Laurinha,
    Diz pra ele o que vivem dizendo pra mulheres: não é porque UM HOMEM te tratou mal que todos os homens são crápulas. Hehe.

    Dani,
    Concordo! Danuza neles!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...